.posts recentes

. O “GLORIOSO” CENTENO

. A MÃO DE DEUS

. A “EPITETIZAÇÃO” DA COISA

. “O CANHÃO DE S.BENTO”

. PORTAS… COMUNICANTES

. OS SEGREDOS DA TIA CÁTIA

. NASCIDOS PARA MANDAR

. ANASTÁCIOS E BARATAS

. ELES VOAR, VOAM… MAS MUIT...

. VAMOS PÔ-LOS NO LUGAR

.arquivos

. Janeiro 2018

. Junho 2017

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Novembro 2015

. Abril 2015

. Julho 2014

. Fevereiro 2014

. Julho 2013

. Maio 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.links
blogs SAPO
.subscrever feeds
Segunda-feira, 25 de Julho de 2011
O PORQUÊ DA COISA

A pouco-e-pouco parece entender-se o porquê da crise financeira, da crise económica, da crise política e de muitas outras crises! Bem podem os "doutos" paineleiros da ribalta passar uma infinidade de horas a discutir o porquê da coisa que tarde ou nunca chegarão a um qualquer fim... e isto tão só porque a possível explicação para o imbróglio, de tão virginal, lhes passa completamente à margem! Da mesma forma que "nem todas as ovelhas são para mato", também nem todos os doutores, economistas ou engenheiros terão queda para directores disto e daquilo ou para andarem a cirandar pelos intermináveis corredores do poder! E vem este "blá-blá" aparentemente despropositado a reboque do Senhor  Strauss-Kahn, imagine-se, aquele que foi apontado pela desavergonhada "Maria" do "Sofitel" de Nova-Iorque de violador e outros adjacentes "desvios" (sic)... porque acusado, detido, solto e quase ilibado de tal aventura pelo simples facto de confessar que minutos antes da hora em que lhe é imputada a culpa, ter tido sexo consentido com outras três mulheres (três!) que o deixaram "ko"! Posto isto, e resumindo, da mesma forma que o FMI esteve vários anos a ser "enganado" profissionalmente por um economista e advogado com a vocação nata para a área do "hard-core" (a ver pelo número de "estórias"), quem nos garante que aquele senhor que neste momento diz "fiscalizar" a república não está também a ludibriar-nos uma vez que a sua vocação está direccionada, dissimuladamente, para a gestão da mercearia lá do bairro? Ou que aquele outro que se fosse peixe seria cherne não vai aparentando presidir à Comissão Europeia, quando na realidade vai dirigindo, com total dedicação e sabedoria, o salão da paróquia lá da freguesia? Depois fala-se em crises, as vocacionais e as outras, ao mesmo tempo que se inventam as mais mirabolantes teorias para as justificar (sic)!

publicado por A. Carvalho às 18:30
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 18 de Julho de 2011
A CIÊNCIA DO CÁLCULO

As negativas a Matemática A, 12.º ano, dispararam no exame nacional da disciplina, com a taxa de reprovação a atingir os 20 por cento na primeira fase, contra os 13 por cento de 2010! Tanta admiração para quê? Porque razão é que estas alminhas deveriam perceber de estatística e probabilidades, números e cálculos, álgebra, funções e geometria? Num País onde a operação matemática fundamental para a sobrevivência é a subtracção, não se entenderia lá muito bem que esta "geração rasca", "à rasca" ou melhor, "roscada" na perfeição nesta sociedade de rosca interna (tipo porca) (!), estivesse a perder tempo com números racionais e reais, com proporcionalidades directas ou inversas, com equações, inequações, circunferências e polígonos... mais as trigonometrias do triângulo rectângulo (sic)! O importante mesmo, em Portugal, é efectivamente a "rapaziada" saber subtrair o máximo possível ao Estado, o Estado saber subtrair até à exaustão a "populaça" e uns e outros, enfim, saberem subtrair até ao tutano tudo o que a União Europeia lhes permita. E sendo assim saber multiplicar, dividir ou somar é indiferente... apesar de as dívidas se continuarem a multiplicar, da divisão dos proveitos significativos se continuar a fazer entre alguns e de a EDP e a Galp, por exemplo, continuarem descaradamente a somar! Há uns tempos perguntaram à Sociedade Portuguesa de Matemática o que estava errado no ensino da "coisa" para esta "malta" ser a pior da Europa e estar entre as piores do mundo. A resposta não deixou dúvidas: A falta de rigor que tem havido e a tendência defendida de que é brincando com os "meninos" que eles se vão "apaixonar" pela matemática! Enfim: a prova está aí... mas pior seria que tivesse existido um resultado falso, como aconteceu em 2007 e 2008, quando a média dos exames da ciência do cálculo foi "artificialmente" dourada para estrangeiro ver!

publicado por A. Carvalho às 18:07
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 11 de Julho de 2011
OFENDIDOS PORQUÊ?

Os "melros" da Moody's reduziram o rating português (o rating é uma opinião sobre a capacidade e vontade de uma entidade vir a cumprir de forma atempada e na íntegra determinadas responsabilidades) a uma coisa que repugna por estar suja e sem qualquer utilidade... e com perspectivas de revisão futura ainda mais fedente e nojenta, imagine-se. E se assim o fizeram lá deverão ter tido as suas razões, se calhar em tudo idênticas às que levam também muitos portugueses a assim a considerarem. Em qualquer compêndio de economia para "tó-tós" se aprende  que não se pode gastar tudo o que se tem, sob pena de se começar a gastar o que se não tem, sendo isto o que está a acontecer, há demasiado tempo, por estas bandas. Portanto, não seria sério nem oportuno que a "passarada" da tal agência, porque finória, sagaz e espertalhona, viesse dizer o contrário do que disse. Sejamos realistas: Portugal, face àquilo que produz, não tem (e dificilmente virá a ter) capacidade para cumprir atempadamente e na íntegra, as suas responsabilidades. Quando muito terá vontade para isso... mas de boas vontades está o inferno cheio e por isso mesmo a Moody's hoje e quiçá a Standar&Poor's amanhã e a Fitch e a DRBS logo depois, que mais poderão fazer senão virem a considerar-nos, também, feios, porcos e maus? Um País que orgulhosamente tem uma economia paralela a roçar os 30%, que destruiu a sua agricultura e as suas pescas e onde aquilo que se diz hoje não é o mesmo que se diz amanhã, entre uma infinidade mais de enormes "anormalidades", muitas delas de consciência e perfeitamente normais no dia-a-dia do mais comum do "tuga", é o quê? Pois! É lixo... até  ao momento em que os cortes na despesa e a educação de consciências se comecem a sobrepor, significativamente, ao alambazamento da receita e ao desvario da nossa portugalidade, contrariando com isso, decisivamente, as opiniões negativas do tão badalado rating. Ofendidos porquê?

publicado por A. Carvalho às 17:52
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 4 de Julho de 2011
DAS TRIPAS CORAÇÃO

Foi há três meses (há três meses tão só!) que em pleno dia 1 de Abril Passos Coelho garantia numa escola de Vila Franca de Xira que não iria haver cortes no 13º mês. Está bem que afirmações destas no dia que foi se podem prestar a muitas interpretações, mas não é crível que alguém que ambicionava, na altura, o cargo que hoje ocupa, brincasse com coisas por demais sérias. E depois, bem... o facto de o Ministério da Educação também já não ir encerrar as 654 escolas com menos de 21 alunos que estavam previstas fechar até ao final do presente mês, depois de gastos, pelo anterior Governo, milhares e milhares de euros em estudos e outro tanto em investimentos destinados a colmatar as consequências dessa mesma decisão, apenas vem aflorar a ideia de que o País vai continuar a amealhar por um lado e a esbanjar por outro, nunca atingindo por isso o tão desejado ponto de equilíbrio. A ser assim, a dar o dito pelo não dito e a suspender decisões oportunamente tomadas por aqueles que democraticamente os antecederam (decisões essas no terreno desde 2005 - com o encerramento de todas as escolas do primeiro ciclo com menos de 10 alunos e com uma segunda fase, em 2010, a levar ao encerramento de mais 700 escolas, todas elas também com menos de 21 alunos), porque não mandar às malvas as medidas implementadas pelo PEC 1, 2 e 3 e reavaliar os seus efeitos e consequências sob o manto virginal (ainda) desta nova equipa social-democrata? Num período governativo tão curtinho, os portugueses devem começar a torcer para que o popular ditado "o que nasce torto tarde ou nunca se endireita" não se venha a aplicar ao "reinado" vigente... não só para bem dos agora nascidos para a gestão da "coisa" mas para o dos muitos mais que há uma "eternidade" de anos vão fazendo das tripas coração para irem vivendo (ou sobrevivendo?) sobre a alçada dessa mesma "coisa".

publicado por A. Carvalho às 18:15
link do post | comentar | favorito
.as minhas fotos