.posts recentes

. A MÃO DE DEUS

. A “EPITETIZAÇÃO” DA COISA

. “O CANHÃO DE S.BENTO”

. PORTAS… COMUNICANTES

. OS SEGREDOS DA TIA CÁTIA

. NASCIDOS PARA MANDAR

. ANASTÁCIOS E BARATAS

. ELES VOAR, VOAM… MAS MUIT...

. VAMOS PÔ-LOS NO LUGAR

. ESTAMOS CONDENADOS

.arquivos

. Junho 2017

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Novembro 2015

. Abril 2015

. Julho 2014

. Fevereiro 2014

. Julho 2013

. Maio 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.links
blogs SAPO
.subscrever feeds
Domingo, 18 de Março de 2012
O ANTELÓQUIO

Quando o arrazoado que antecede a parte principal de um texto ou de uma obra literária se transforma no foco central das luzes da ribalta, é prova mais do que evidente que o seu autor (porque conhecedor da mediocridade da sua posterior escrita?) apenas quer vender gato por lebre a um qualquer incauto leitor! Mas quando muitos desses leitores, estes bem mais acautelados e prudentes, como jornalistas, comentadores, paineleiros, “residentes” e outros assumidos fazedores de opinião, alinham em publicitar até à exaustão tão pobre, desinteressante e deslocado exercício de escrita (o antelóquio), então a “cousa” extrapola já para uma outra dimensão, que é a da existência real de uma sociedade estéril e definhada, onde à falta de noticiário se opta por fazer notícia da não notícia e onde à falta de casos se aproveitam os acasos do ocaso. Isto é mais ou menos como dissertar (bem ou mal, pouco ou nada interessa) sobre a muita chuva que caiu no ano transacto, sabendo à partida que isso em nada alterará o extenso e preocupante período de seca em que o País, hoje, está mergulhado! Enfim! A rir com tudo isto deve estar o visado “infiel” apontado pela pena do vingativo escriba! Na “longínqua” e chiquérrima Paris do “16º. Bairro”, entre diplomatas, herdeiros de imensas fortunas, filhos de papás príncipes e outros que da lei da mesquinhez e das conversas de comadres ao soalheiro se libertaram, o visado, que ficará registado para a história, quiçá, por muitas outras bem mais trágicas e marcantes decisões, ao ler o que sobre ele se escreveu por certo terá fechado despreocupadamente o jornal e saboreado calmamente um “Grand Marnier”, no “Café de Flore”, ali mesmo em Saint-Germain-des-Pré, rumando de seguida à obrigatória “Brasserie Lipp” para degustar uma “terrine de campagne” e um “mille-feuilles au baba au rhum”... indiferente à pequenez e à pobreza de espírito da “pateguisse” tuga (sic)!

publicado por A. Carvalho às 11:10
link do post | comentar | favorito
|
.as minhas fotos